plasma rico em plaquetas

Plasma Rico em Plaquetas: o que é e para que serve?

Por utilizar substâncias do nosso próprio corpo, além de ser pouco invasivo, o tratamento com PRP é “seguro”, e os efeitos colaterais, quando ocorrem, são, em sua maioria, leves.

Aqui vamos explorar o que é esse tipo específico de plasma usado no tratamento e quando ele pode ser útil para a sua saúde. 

O que é o Plasma Rico em Plaquetas?

Para o tratamento com PRP, separamos apenas os elementos que mais importam do sangue: o plasma e as plaquetas. 

Plasma: a parte líquida do sangue

O plasma é a parte do nosso sangue que não é composta por nenhuma célula. A maior parte da sua composição consiste em água e proteínas e sua principal função é facilitar a circulação das células sanguíneas pelos vasos.

Os três tipos de células sanguíneas que circulam no plasma são

  • Glóbulos vermelhos (responsáveis por carregar oxigênio);
  • Glóbulos brancos (parte do sistema imunológico);
  • Plaquetas.

Plaquetas: o “band-aid” natural do corpo

Quando o corpo detecta danos em algum dos tecidos do corpo, as plaquetas são ativadas para ajudar a conter possíveis hemorragias. 

Elas recebem esse nome porque, enquanto estão desativadas, têm um formato mais achatado, como pequenas placas. Mas quando são ativadas, liberam proteínas específicas e criam pequenos “tentáculos” para aderir melhor à lesão.

As plaquetas começam então o processo de coagulação sanguínea, que é o primeiro passo para a regeneração do tecido.

Além disso, as plaquetas possuem diversas proteínas (fatores de crescimento) que estimulam a regeneração dos tecidos. Essas proteínas são liberadas quando as plaquetas chegam no local da lesão.

Por ser uma célula sanguínea, sua ação é mais eficiente em partes mais vascularizadas do corpo. Áreas menos vascularizadas, como partes das cartilagens e dos meniscos, têm uma menor ação natural das plaquetas.

Plasma Rico em Plaquetas

Como as plaquetas por si só estão em um estado sólido, seria mais difícil injetá-las diretamente em outras partes do corpo. 

Por isso, além das plaquetas, retiramos uma pequena quantidade de plasma do sangue da própria pessoa para solubilizar a solução que será injetada. 

Isso é feito utilizando uma centrífuga específica que separa o plasma e as plaquetas dos outros elementos do sangue, que são devolvidos aos vasos sanguíneos.

O resultado é uma solução de plasma com uma alta concentração de plaquetas, utilizado para regenerar e desinflamar tecidos.

O que o Plasma Rico em Plaquetas pode tratar?

O plasma rico em plaquetas contém, além das próprias plaquetas, uma série de substâncias, proteínas e fatores de crescimento que proporcionam efeitos anti-inflamatórios, analgésicos e regenerativos. 

Por isso, o plasma rico em plaquetas pode ser usado para tratar uma série de quadros ortopédicos, como:

  • Artrose;
  • Artrite;
  • Ruptura do LCA;
  • Fasceíte plantar (“esporão”);
  • Tendinites;
  • Epicondilite lateral e epicondilite medial;
  • Bursites;
  • Lesões meniscais;
  • Lesões musculares;
  • Lesões de cartilagem;
  • Fraturas que não cicatrizaram (pseudoartrose).

Ao contrário de uma simples aplicação de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios, o PRP também vai estimular a regeneração natural dos tecidos, além de aliviar os sintomas. 

Com isso, o paciente pode ter uma melhor qualidade de vida e postergar a necessidade de cirurgias e outros tratamentos mais invasivos.

Como é o tratamento com Plasma Rico em Plaquetas?

O tratamento com PRP é realizado no próprio consultório do médico ou em um centro cirúrgico. 

Inicia-se pela coleta de amostra de sangue do paciente e a separação do componente mais importante para o tratamento: as plaquetas. 

Depois, começa a análise dos locais de injeção. Elas costumam ser feitas em várias partes da área a ser tratada, seja um músculo, uma cartilagem ou um osso. Em alguns casos, os médicos usam um ultrassom durante as injeções para garantir que estão direcionando à área certa. 

Ao todo, o procedimento costuma durar cerca de 1 hora, mas isso pode variar de acordo com o local das aplicações. 

As injeções de PRP doem?

Normalmente, a aplicação de plasma rico em plaquetas não é dolorida.

Mas isso pode variar de acordo com o local de aplicação e com a percepção de dor de cada paciente. Caso haja desconforto, o médico pode aplicar anestésicos locais para tornar a aplicação mais tranquila.

Preciso ficar de repouso depois da injeção de Plasma Rico em Plaquetas?

Por se tratar de um procedimento minimamente invasivo, não há necessidade de cessar as atividades do dia a dia e ficar em repouso completo depois da aplicação de PRP.

A maioria das pessoas consegue continuar suas atividades normalmente, apenas evitando esforço excessivo sobre o local de aplicação pelas 24h seguintes ao tratamento.

Quando preciso repetir a injeção de Plasma Rico em Plaquetas?

Em muitos casos, uma única aplicação já é o suficiente para que o paciente tenha uma melhora significativa no quadro. 

Mas, dependendo da lesão, não é incomum que algumas pessoas precisem realizar entre 2 e 7 aplicações para ter uma melhora mais significativa.

O Dr. Carlos Vinícius Buarque de Gusmão é ortopedista, especialista em Joelho, ondas de choque e Tratamentos Minimamente Invasivos (infiltração, denervação, PRP e Bloqueio dos geniculares) e atende em São Paulo, na Vila Mariana e no Morumbi. Se quiser tirar suas dúvidas, clique aqui!

Dr. Carlos Vinicius Ortopedista SP

Sobre o Dr. Carlos Vinícius

O Dr. Carlos Vinícius é referência no tratamento por ondas de choque em São Paulo. Formado há mais de 10 anos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), se especializou em cirurgia do joelho pela Universidade de São Paulo (USP) e finalizou seu doutorado em Ciências da Cirurgia também pela UNICAMP.

Saiba mais

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn