cisto

Cisto de Baker precisa operar? qual o melhor tratamento?

O cisto de Baker é uma condição que afeta a parte de trás do joelho e pode causar desconforto e limitações na mobilidade. Neste artigo, vamos explorar se o cisto de Baker precisa de cirurgia, além de discutir os diferentes tratamentos disponíveis para essa condição.

1- O que é o Cisto de Baker?

O Cisto de Baker, também conhecido como cisto poplíteo, é uma bolsa cheia de líquido que se forma na parte de trás do joelho. Essa condição é geralmente associada à osteoartrite do joelho ou a lesões no joelho, como rupturas do menisco. 

O cisto pode se desenvolver quando o líquido sinovial, que normalmente lubrifica as articulações, se acumula na parte de trás do joelho devido a um aumento na produção desse fluido. Quando o líquido do joelho vai para a parte de trás, ele não consegue voltar pra frente, e, com isso, forma-se o cisto.

cisto-de-baker

2- Sintomas do Cisto de Baker

Geralmente, os pacientes relatam dor na região posterior do joelho, às vezes na panturrilha, e surgimento de uma “bola” atrás do joelho.

Entre os sintomas mais comuns estão:

Dor na parte de trás do joelho, especialmente ao dobrá-lo.

Sensação de inchaço ou protuberância atrás do joelho.

Dificuldade em dobrar completamente o joelho devido à rigidez.

Pressão ou desconforto ao dobrar o joelho.

O cisto de Baker pode se romper e causar uma dor muito forte na perna (panturrilha), acompanhada de inchaço (edema), podendo ser até confundido com trombose venosa profunda. Em casos extremos e raros, a ruptura do cisto pode causar uma inflamação tão grande que interrompe a circulação sanguínea na perna, gerando uma síndrome chamada de síndrome compartimental.

Mais raramente também, o cisto pode crescer muito e causar compressão de nervos, provocando formigamento no pé; e compressão dos vasos sanguíneos, deixando a perna mais fria e cianótica (arroxeada).

3- Como o cisto de Baker é diagnosticado

Para diagnosticar o cisto de Baker, o médico ortopedista realiza uma avaliação clínica detalhada, que pode incluir perguntas sobre os sintomas, histórico médico do paciente e um exame físico. Além disso, alguns exames complementares são realizados para confirmar o diagnóstico e avaliar a extensão da condição. 

Abaixo estão os métodos comuns de diagnóstico do cisto de Baker:

  • Ultrassonografia
  • Ressonância Magnética (RM)

4- Cisto de Baker precisa operar?

Na maioria dos casos, não. A maioria dos cistos pode ser tratada conforme vamos falar na sessão seguinte. Entretanto, o cisto de Baker precisa ser operado quando ele fica muito grande, causa compressão de nervos ou vasos, ou quando há infecção dentro dele. A decisão de operar deve ser discutida com um médico ortopedista, que avaliará a gravidade do caso e orientará o melhor curso de ação.

5- Tratamento não cirúrgico para cisto de Baker

O tratamento não cirúrgico para o cisto de Baker envolve uma abordagem multifacetada para aliviar os sintomas e reduzir o tamanho do cisto.

O tratamento não cirúrgico do cisto é feito em 2 frentes. Primeiro, deve-se tratar a causa dele, que pode ser a artrose do joelho ou uma lesão de menisco, por exemplo.

A segunda frente envolve tratar diretamente o cisto, e consiste na aspiração do cisto. Esse procedimento é feito no consultório do ortopedista, que utiliza o ultrassom para visualizar o cisto e aspirá-lo com uma agulha. Além da aspiração do cisto, é realizada a injeção de algum medicamento pra tentar evitar que ele cresça de novo.

6- Cirurgia para cisto de Baker

A cirurgia para o cisto de Baker é feita por meio de uma incisão na região da panturrilha (fossa poplítea), que é onde o cisto se localiza. O tamanho do corte depende do tamanho do cisto, e ele é removido após a realização do corte na pele.

Não há como realizar o procedimento por artroscopia, pois o cisto fica fora do joelho. Apesar disso, se a causa do cisto for alguma lesão no joelho (ex.: lesão de cartilagem, lesão de menisco, condromatose sinovial, etc), será necessário também abordar essa lesão, o que pode ou não ser realizado por artroscopia, que é um procedimento minimamente invasivo.

Recuperação pós-operatória e cuidados para cisto de Baker

A recuperação pós-operatória e os cuidados após a cirurgia para o cisto de Baker são essenciais para garantir uma recuperação adequada e minimizar complicações. Alguns aspectos importantes da recuperação pós-operatória e dos cuidados incluem:

  • Repouso e evitar movimentos bruscos com o joelho
  • Uso de medicamento analgésico e eventualmente de antibióticos
  • Fisioterapia
  • Reabilitação voltada para a causa do cisto

7- Conclusão

Em conclusão, o cisto de Baker é uma condição que pode causar desconforto e limitações no joelho devido ao acúmulo de líquido na região posterior. Seus sintomas podem variar de leve a grave, afetando a função do joelho e a capacidade de realizar movimentos.

Em todos os casos, a orientação e o acompanhamento de um médico ortopedista qualificado são fundamentais para uma abordagem eficaz, que inclui tratamentos sem cirurgia e, eventualmente, com cirurgia.

Dr. Carlos Vinicius Ortopedista SP

Sobre o Dr. Carlos Vinícius

O Dr. Carlos Vinícius é referência no tratamento por ondas de choque em São Paulo. Formado há mais de 10 anos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), se especializou em cirurgia do joelho pela Universidade de São Paulo (USP) e finalizou seu doutorado em Ciências da Cirurgia também pela UNICAMP.

Saiba mais

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn