lesão do ligamento cruzado anterior

Faz sentido fazer RX para pacientes com suspeita de lesão do LCA?

Logo após a lesão do ligamento cruzado anterior (LCA), a dor é tão grande que você mal consegue apoiar o pé no chão. Parece até que quebrou alguma coisa, não é mesmo? Pois é! Às vezes, isso acontece, e o diagnóstico da fratura é feito com a radiografia (RX).

Mas esse diagnóstico não poderia ser feito com a ressonância?

Sim, poderia. Inclusive, a ressonância permite ver outras lesões como lesão de menisco e da cartilagem. De fato, ela deve ser solicitada em algum momento da avaliação na suspeita de ruptura do LCA.

Entretanto, o RX ainda tem sua utilidade por três motivos principais. Primeiro porque é um exame muito mais rápido e prático de ser feito. Em menos de cinco minutos, está pronto. É o tempo de você entrar na sala, ser posicionado com cuidado, fazer o exame e enviar para a tela do computador do ortopedista.

Segundo porque a ressonância é um exame pelo menos 20x mais caro e gasta mais recursos naturais do que a radiografia. Não é à toa que hoje evitamos imprimir exames. Precisamos ter consciência ambiental.

Terceiro porque se fizermos o diagnóstico de fratura no joelho (p. ex., da espinha tibial ou do planalto tibial), não há obrigatoriedade de se realizar a ressonância, pois o diagnóstico já estará feito e a conduta poderá ser tomada apenas com a radiografia na maioria dos casos.

Por isso, na fase aguda, ou seja, no momento que você chega machucado no pronto-socorro pra ser atendido, a radiografia é importante. A necessidade de outros exames será determinada conforme cada situação.

Sempre que se machucar, busque ser atendido por um ortopedista especialista para o diagnóstico e conduta pertinentes. Cuide-se e previna-se!

Dr. Carlos Vinicius Ortopedista SP

Sobre o Dr. Carlos Vinícius

O Dr. Carlos Vinícius é referência no tratamento por ondas de choque em São Paulo. Formado há mais de 10 anos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), se especializou em cirurgia do joelho pela Universidade de São Paulo (USP) e finalizou seu doutorado em Ciências da Cirurgia também pela UNICAMP.

Saiba mais

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn