joelho valgo e varo

Joelho torto é sinal de alerta! Entenda a Osteotomia


O joelho em valgo e o joelho em varo são duas deformidades mais conhecidas como “joelho torto”. Elas podem surgir na infância ou somente na idade adulta.

Na infância, podem ser tratadas, evitando a piora durante o desenvolvimento da criança. Já no adulto, podem ser decorrentes da falta de identificação do problema na infância, ou de algumas lesões como as de menisco, ligamento, cartilagem, fraturas e artrose. 

Quando a deformidade do joelho é grande, provoca dor, ou prejudica a marcha (a forma como a pessoa anda), a osteotomia é uma das opções de tratamento para corrigir a deformidade, melhorar a dor e a qualidade de vida, e evitar que a deformidade piore ainda mais dentro de um contexto mais sério,de artrose, por exemplo.


Joelho varo x joelho valgo: qual a diferença?


A diferença entre o joelho valgo (genovalgo) e o joelho varo (genovaro) é a angulação do desalinhamento e a direção para que os joelhos apontem. 

Quando eles apontam para “dentro”, temos um caso de joelho valgo, e quando eles apontam para “fora”, de joelho varo. 

Em um joelho com alinhamento normal, se traçarmos uma linha reta desde o centro do quadril até o centro do tornozelo, veremos que essa linha passa no centro do joelho. Esse alinhamento garante uma boa distribuição do peso dentro do joelho, de forma que suas estruturas (meniscos, ligamentos e cartilagem) não fiquem sobrecarregadas.

Além do dano às cartilagens e outras estruturas articulares, o desalinhamento pode afetar também o menisco – o que qualifica um outro risco para o desenvolvimento de artrose. 


Joelho varo


Quem sofre de joelho varo corre mais riscos de desenvolver uma artrose medial (na parte de dentro da perna), por conta da pressão excessiva que esse desalinhamento causa sobre a seção medial do joelho. 

Quanto maior o grau do desalinhamento, maior a sobrecarga e o risco de artrose. Além disso, o excesso de varo provoca o alongamento dos ligamentos laterais (da parte de “fora” do joelho), tornando-os frouxos e resultando em instabilidade do joelho, o que agrava a situação e prejudica os movimentos do joelho. 


Joelho valgo


Embora o joelho valgo muitas vezes seja considerado menos grave que o joelho varo, esse alinhamento também aumenta as chances de desenvolver problemas como a artrose. 

Como o eixo de carga se desloca “para fora”, a pressão sobre o compartimento lateral (ou “externo”) do joelho também cresce, favorecendo o desgaste articular nesta região.

Do mesmo modo que no varo, o excesso de deformidade afrouxa os ligamentos mediais (da parte “de dentro” ou interna do joelho), produzindo instabilidade que prejudicam a mobilidade da articulação e a capacidade de realizar as atividades do dia a dia.


Quando é preciso operar o joelho torto?


É necessário operar o joelho valgo ou varo quando o desvio é significativo e está atrelado a dores e outros sintomas limitantes. Lesões adicionais, como lesão de menisco, ligamento e cartilagem, bem como artrose e aumento progressivo da deformidade também são fatores que indicam a necessidade de uma cirurgia para correção da deformidade.

Exercícios, fisioterapia, uso de palmilhas e órteses (joelheiras e imobilizadores) não são capazes de corrigir a deformidade no joelho do adulto. Para tanto, em muitos casos, a cirurgia indicada para corrigir o joelho valgo ou varo é a osteotomia do joelho. 


O que é uma Osteotomia?


A Osteotomia é um procedimento que consiste em realizar cortes nos ossos que são tortos para remodelá-los de outra maneira. 

Com esse procedimento, o joelho é realinhado de forma adequada. Isso ajuda a garantir uma distribuição de pressão equilibrada dentro do joelho e evitar a degradação da articulação.

Essa cirurgia é usada para corrigir o desalinhamento na maioria dos adultos com menos de 60 anos e sem um grau alto de artrose. 

Há dois tipos principais de osteotomia que podem ser realizados para corrigir um joelho torto:


  • Osteotomia proximal da tíbia (valgizante) – procedimento realizado na tíbia, usado para corrigir o joelho varo.
  • Osteotomia distal femoral (varizante) – procedimento realizado no fêmur, usado para corrigir o joelho valgo.


Como a Osteotomia é feita?


Os cortes da osteotomia podem ser realizados em duas partes: tanto acima do joelho, no fêmur, quanto abaixo da articulação, na tíbia.

Na sequência, com os ossos móveis já que foram cortados, o cirurgião ortopedista abre um espaço entre os ossos, que chamamos de cunha de abertura. Alternativamente, o especialista em joelho pode remover um pedaço pequeno de osso, que chamamos de cunha de fechamento.

Dessa forma, o joelho fica alinhado. Depois disso, os ossos sãoé estabilizados com a ajuda de parafusos e placas metálicas. Isso vai garantir que eles fiquem fixos no lugar até que a cicatrização esteja completa. 

Com esse procedimento, o joelho é realinhado de forma adequada. 


Outros tipos de cirurgia para joelho valgo e varo


A Osteotomia não é a única opção de cirurgia para tratar o joelho torto. A hemiepifisiodese e a artroplastia também podem ser utilizadas, a depender das condições do paciente. 

A hemiepifisiodese é utilizada para corrigir o desalinhamento em crianças. Nela, fecham-se, temporariamente ou definitivamente, as placas de crescimento em regiões específicas do joelho para evitar uma progressão da doença e corrigir a deformidade. 

Já a artroplastia é recomendada para pacientes com artrose avançada. Esses pacientes são, normalmente, mais velhos, com mais de 60 anos. Nessa cirurgia, substituímos o joelho doente por uma prótese total de joelho, feita de liga metálica. 

O Dr. Carlos Vinícius Buarque de Gusmão é ortopedista, especialista em Joelho e Tratamentos Minimamente Invasivos para dor (ondas de choque, infiltrações, denervação e PRP) e atende em São Paulo, na Vila Mariana. Para mais informações sobre consulta e local de atendimento, clique aqui.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn