fasciíte plantar

Ondas de choque para tratar esporão (fasciíte plantar)


Tenho uma revelação pra fazer pra você: o seu esporão do calcanhar é somente a ponta do iceberg. Na devastadora maioria dos casos, não é ele que faz você sentir dor.

A maior causa de dor no calcanhar é pela fasciíte plantar. Alguns escrevem fasceíte, outros fascite, ou fasciopatia. Mas é tudo a mesma coisa…e DÓI! O fato é que a fáscia do pé é uma das estruturas responsáveis por manter o formato do pé e auxiliar na sua biomecânica quando você anda, corre, etc. Quando essa estrutura apresenta disfunção, dói porque você precisa dela pra andar.


POR QUE VOCÊ TEM DOR NO CALCANHAR


As tensões na fáscia plantar podem ser tão grandes que ela pode sofrer um processo degenerativo que causa a fasciíte, e que também causa a formação do esporão do calcanhar. Veja que as duas coisas acontecem juntas.

Pra piorar a situação, alguns nervos (ex.: o calcâneo medial) do pé podem ser comprimidos por conta disso, ou por outros fatores. Somado a isso, a fáscia pode ficar espessa, e o tendão de Aquiles (ou tendão calcâneo) também pode inflamar.

Tudo isso pode, inclusive, estar associado a uma síndrome chamada Síndrome de Haglund, que associa bursite no pé, exostose do calcâneo (que é tipo um esporão) e a tendinite do Aquiles.


COMO O ESPORÃO (FASCIÍTE PLANTAR) TE PREJUDICA


Tudo aquilo que te falei (fasciíte, compressão do nervo, Síndrome de Haglund, etc) provoca dor na parte de trás do pé. E essa dor é muito chata, porque você já acorda com ela: na primeira pisada do dia, você já se lembra dela.

No início, ela até melhora conforme você “esquenta”. Mas depois de alguns meses a anos com a dor, nem isso melhora: você sente dor durante toda a caminhada.

Em adição, cerca de 10% das pessoas não se livram da dor mesmo fazendo fisioterapia, alongamentos, fortalecimento ou infiltração de medicamento.

Foi por isso que te falei sobre todos aqueles outros diagnósticos. Eles vão se somando à fasciíte plantar e dificultando o tratamento cada vez mais.


TRATAMENTO DO ESPORÃO (FASCIÍTE PLANTAR) COM AS ONDAS DE CHOQUE


Esses pacientes que não melhoram com nada acabam desistindo de tratar, porque, para eles, a opção seria realizar uma cirurgia. Na cirurgia, resumidamente, nós removemos o tecido inflamado, os ossos proeminentes, e soltamos o nervo aprisionado.

Contudo, antes de chegar a esse ponto, eu sempre indico aos pacientes o tratamento por ondas de choque. Inclusive eu recebo muitos pacientes com fasciíte plantar (e esporão) para fazer esse tratamento. Recebo também pacientes que apresentam outras condições associadas, como:

  • Aprisionamento do nervo calcâneo
  • Tendinite de Aquiles (do calcâneo)
  • Síndrome de Haglund

Todas essas moléstias podem ser tratadas com as ondas de choque.


BENEFÍCIOS DO TRATAMENTO COM ONDAS DE CHOQUE PARA ESPORÃO DO CALCÂNEO (FASCIÍTE PLANTAR)


Nos estudos científicos, observamos melhora em mais de 90% dos pacientes, seja pela fasciíte, tendinite ou outro diagnóstico que comentei nesse texto.

Devo lembrar que esses 90% de resultados positivos ocorreram em pacientes que já não tinham melhorado com nenhum outro tratamento não cirúrgico, o que significa que o resultado foi muito positivo.

Esses pacientes apresentam melhora da dor, podem voltar a correr e fazer suas atividades do dia-a-dia.


COMO É O TRATAMENTO COM ONDAS DE CHOQUE


As ondas de choque não são o “choquinho” da fisioterapia. Elas são uma onda de ultrassom mais potente capaz de desinflamar e cicatrizar tecidos. É o ortopedista que realiza esse tipo de tratamento.

As sessões são feitas no próprio consultório, sem necessidade de anestesia geral. Para os pacientes que estão com muita dor, pode ser necessário fazer anestesia local.

Após a sessão de ondas de choque, sempre recomendo repouso de atividades com esforço por 7 dias pelo menos.

Acha que pode ser útil pra você? Verifique com um ortopedista especialista se você tem indicação para as ondas de choque.

Dr. Carlos Vinicius Ortopedista SP

Sobre o Dr. Carlos Vinícius

O Dr. Carlos Vinícius é referência no tratamento por ondas de choque em São Paulo. Formado há mais de 10 anos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), se especializou em cirurgia do joelho pela Universidade de São Paulo (USP) e finalizou seu doutorado em Ciências da Cirurgia também pela UNICAMP.

Saiba mais

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn