dr-carlos-vinicius-logo
Downloader.la-6421e11170c9f

Conheça mais sobre a lesão do ligamento cruzado anterior (LCA) e seu tratamento

O ligamento cruzado anterior (LCA) é uma estrutura que tem como principal função a estabilização do joelho, no entanto, esse ligamento é o ligamento que mais sofre lesões, correspondendo entre 10 a 27% das lesões em ligamentos.

Boa parte dos casos das lesões no LCA, ocorrem durante a prática de atividades esportivas, principalmente as que envolvem movimentos de giro e desaceleração do corpo.

A lesão do ligamento cruzado anterior (LCA) é preocupante, porque em cerca de mais de 60% dos casos, ela não ocorre sozinha, sendo acompanhada de lesão de outras estruturas da região como os meniscos, cartilagem e outros ligamentos.

Qual a função do ligamento cruzado anterior?

O LCA é responsável por impedir movimentos anormais do joelho durante as atividades cotidianas, garantindo a estabilização do joelho, ou seja, que o joelho fique firme.

Isso é importante, porque movimentos anormais podem forçar as articulações do joelho, resultando em desgaste precoce, podendo gerar doenças como a artrose, lesão de menisco e de cartilagem.

Como o ligamento cruzado anterior se rompe?

O ligamento cruzado anterior pode ser lesionado de duas formas: por contato ou sem contato.

A lesão por contato ocorre quando o indivíduo sofre um impacto forte contra o joelho, que pressiona o osso da perna (a tíbia) contra o da coxa (o fêmur) fazendo com que a estrutura se rompa.

Já a lesão sem contato do ligamento cruzado anterior ocorre quando o indivíduo faz um movimento anormal ou muito brusco com o joelho que coloca uma pressão excessiva sobre o LCA, que se rompe.

Diagnóstico da lesão parcial do LCA


O diagnóstico das lesões parciais do LCA deve ser baseado na combinação do exame clínico e dos exames de imagem (radiografia e ressonância magnética). Para o diagnóstico definitivo, pode ser necessário uma cirurgia, para que, com o uso de uma câmera dentro do joelho, identifiquemos a lesão parcial

Tratamento para lesão do LCA

Como mencionamos, o que torna a lesão do LCA algo preocupante, é a associação com outras lesões de estruturas próximas, modificando a escolha do tratamento para o paciente e seu prognóstico.

Em geral, na maioria dos casos de lesão, o tratamento mais indicado é a opção cirúrgica, que se caracteriza pela reconstrução do ligamento cruzado anterior com uso de enxertos biológicos. Nas lesões parciais do LCA, é possível, em situações bem específicas, realizar o reparo da lesão; mas na maioria das vezes, é necessário fazer a reconstrução com enxerto visto que o LCA não pode ser apenas reparado.

Esse enxerto consiste em uma parte do tendão do joelho (ex.: quadríceps, patelar, ou semitendíneo e grácil) do próprio paciente, ou de um doador. Quando o enxerto é doado, o procedimento é caracterizado como transplante homólogo ou aloenxerto. Normalmente, retiramos enxerto do próprio paciente e do joelho machucado, mas pode ser necessário utilizar enxerto do outro joelho do paciente.

Como ocorre a cirurgia?

O paciente precisa ser internado e estar em jejum, em seguida, é anestesiado, geralmente por raquianestesia e sedação. A raquianestesia é efetuada por meio da injeção de medicamento anestésico através da coluna lombar.

Atualmente, com técnicas mais avançadas de anestesia, fazemos também o bloqueio dos nervos de dor no joelho. Assim, a recuperação pós-operatória é mais tranquila, além de permitir que o paciente possa já fazer fisioterapia até no mesmo dia da cirurgia.

A sedação auxilia o paciente a relaxar e dormir durante a cirurgia, sendo realizada por medicamentos introduzidos pela veia ou por via inalatória. Ela é feita antes mesmo de realizar a raquianestesia ou o bloqueio de nervo. Assim, o paciente não sente dor, fica tranquilo e só acorda quando a cirurgia acaba.

Para facilitar a visualização das estruturas do joelho, após a anestesia, é colocado um torniquete, na coxa do paciente, que comprime os vasos e impede o sangramento durante a cirurgia.

A primeira etapa da cirurgia consiste na retirada do enxerto. Assim que retirado, o enxerto é preparado para adquirir a forma do ligamento cruzado anterior.

Finalizada essa etapa, é realizada a artroscopia, um procedimento minimamente invasivo em que é introduzido uma câmera de 4-6mm para enxergar as estruturas dentro do joelho.

Durante a artroscopia, verifica-se a existência de outras lesões, como meniscos e cartilagem. Caso seja encontrada alguma outra lesão, ela é reparada. Se não, fazemos somente a reconstrução do LCA. Para o procedimento de reconstrução, é feita uma perfuração no fêmur e outra na tíbia onde o ligamento cruzado anterior está localizado.

Posteriormente, o enxerto é passado por dentro dos furos (chamados de túneis) e fixado com algum implante, que pode ser um parafuso de metal, botão suspensório, parafuso biodegradável, etc.

Terminada a cirurgia, o paciente é encaminhado para a sala de recuperação anestésica, de onde segue para o quarto do hospital.

Geralmente, o paciente recebe alta hospitalar no mesmo dia da cirurgia, mas a data da alta pode mudar conforme outros fatores, como quantidade e complexidade dos procedimentos realizados.

O tempo total de recuperação da cirurgia do ligamento cruzado anterior do joelho é estimada entre 9 meses a um ano, mas a cada mês o paciente tem uma conquista, por exemplo, com 4-6 semanas, já consegue andar sem muletas; com 3 meses consegue voltar aos poucos para a musculação; e com 6 meses já consegue correr.

Utilizando plasma rico em plaquetas (PRP) no tratamento da lesão parcial do LCA

O plasma rico em plaquetas é uma estratégia que vem sendo cada vez mais utilizada no tratamento das lesões do LCA. O plasma rico em plaquetas consiste na parte “líquida” e clara do sangue, composta majoritariamente de água e proteínas, mas sem hemácias.

É também no plasma que encontramos as plaquetas, responsáveis pela cicatrização em cortes e outras lesões nas quais há sangramento.

O tratamento com plasma rico em plaquetas consiste em utilizar o plasma do próprio paciente para estimular a cicatrização e a recuperação em outras áreas do corpo.

No caso de uma ruptura do ligamento cruzado anterior, ele pode ser usado durante e após o procedimento cirúrgico para contribuir com a recuperação do LCA após a reconstrução cirúrgica.

Por ser uma injeção do plasma da própria pessoa, o procedimento é pouquíssimo invasivo, com chances mínimas de rejeição e efeitos adversos, mas pode auxiliar na recuperação.

Para saber mais sobre o tratamento para LCA consulte-se com o ortopedista. Cuide-se e previna-se!
O Dr. Carlos Vinícius Buarque de Gusmão é ortopedista, especialista em Joelho e tratamentos para dor. Atende na cidade de São Paulo. Se quiser tirar suas dúvidas, clique aqui!

Dr. Carlos Vinicius Ortopedista SP

Sobre o Dr. Carlos Vinícius

O Dr. Carlos Vinícius é referência no tratamento por ondas de choque em São Paulo. Formado há mais de 10 anos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), se especializou em cirurgia do joelho pela Universidade de São Paulo (USP) e finalizou seu doutorado em Ciências da Cirurgia também pela UNICAMP.

Saiba mais

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn