terapia com ondas de choque

Crianças podem fazer terapia com ondas de choque?

A terapia com ondas de choque é uma das opções mais eficazes e seguras de tratamento não invasivo. 

Ela pode ser usada para tratar desde inflamações e lesões musculares até fraturas ósseas e vários outros problemas. As ondas de choque têm pouquíssimas contraindicações, mas, entre elas, está a aplicação em crianças.

Por que as crianças não devem fazer terapia com ondas de choque?

A principal restrição à terapia com ondas de choque em crianças é um possível dano às placas de crescimento dos ossos. 

Por isso, para evitar prejudicar o crescimento ósseo e a integridade dessas placas, normalmente não se recomenda esse tratamento para crianças. 

No caso de outros problemas, os riscos precisam ser avaliados pelo ortopedista, assim como a possibilidade de outras abordagens.

Uma placa de crescimento localizada entre dois centros de ossificação (partes brancas e "onduladas" em cima e em baixo)
Uma placa de crescimento localizada entre dois centros de ossificação (partes brancas e “onduladas” em cima e em baixo)

O que são as placas de crescimento?

As placas de crescimento são seções de cartilagem nas extremidades dos ossos longos de crianças (como o do braço e da perna). Elas permitem que os ossos se alonguem durante o processo de crescimento. 

Por isso, elas só duram até a pessoa atingir sua maturidade esquelética, elas são substituídas por osso maduro e a criança para de crescer.

Para garantir a máxima efetividade e segurança do tratamento com ondas de choque, é preciso buscar um especialista que saiba te orientar de acordo com suas necessidades.

O Dr. Carlos Vinícius Buarque de Gusmão é ortopedista, especialista em Joelho, ondas de choque e Tratamentos Minimamente Invasivos (infiltração, denervação, PRP e Bloqueio dos geniculares) e atende em São Paulo, na Vila Mariana e no Morumbi. Se quiser tirar suas dúvidas, clique aqui!

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn