fraturas

Fraturas que não cicatrizam (pseudoartrose)


Quando não é bem cuidada, uma fratura pode ter dificuldades para cicatrizar completamente, o que leva o nome de pseudoartrose. 


O que causa a pseudoartrose?


Para cicatrizar bem, toda fratura precisa receber os cuidados e a imobilização adequados. 

Se ela não for imobilizada da maneira adequada, por exemplo, ou se o paciente não seguir as recomendações médicas de cuidados com a fratura durante o período de cicatrização, ela pode não se regenerar completamente. 

Logo que o osso se rompe, os vasos sanguíneos que “alimentam” a região também se rompem, o que dá origem ao hematoma e ao processo de formação do calo ósseo, que vai ser o responsável por “religar” as partes fraturadas do osso. 

Além de uma má imobilização e da falta de cuidados, outros fatores podem prejudicar a regeneração, como o diabetes, o consumo excessivo de álcool, o tabagismo, uma alimentação deficiente em vitaminas, entre vários outros. 


Como saber se a fratura não está cicatrizando?


O tempo de cicatrização de cada fratura é muito singular, e depende da gravidade dela, do estado de saúde do paciente, do local e de vários outros fatores. 

Por isso, é importante que o médico acompanhe a evolução da cicatrização para identificar eventuais problemas. 

Mas, no geral, se por volta do terceiro mês a pessoa tem sintomas parecidos com os do momento da fratura, como dor local, inchaço, hematomas, deformidades e mobilidade anormal, isso pode ser sinal de que a cicatrização não vai bem. 

Se houver suspeita de pseudoartrose, é necessário que haja uma avaliação médica dos sintomas, da saúde da pessoa e da própria fratura, com exames clínicos e radiológicos para avaliar a cicatrização. 


Como é o tratamento da pseudoartrose?


Na maioria dos casos, as fraturas que não cicatrizam precisam passar por um tratamento cirúrgico. 

Dependendo das características da fratura, o médico pode recomendar que seja aplicado um enxerto ósseo – que é a implantação de um fragmento de osso do próprio paciente, retirado de outro local do corpo -, para ajudar com a vascularização da área, ou que sejam implantadas placas metálicas para ajudar a estabilizar a fratura e permitir o crescimento natural do osso. 

Em alguns casos, o médico pode optar, inclusive, por um uso conjunto das duas técnicas. 

Mas a melhor opção é evitar a pseudoartrose. Se você sofrer uma fratura, procure um tratamento de qualidade e um bom ortopedista para avaliar e acompanhar o seu caso, seguindo à risca as recomendações para evitar os problemas de cicatrização. 

O Dr. Carlos Vinicius Buarque de Gusmão é ortopedista, especialista em Joelho, ondas de choque e Tratamentos Minimamente Invasivos (infiltração, denervação, PRP e Bloqueio dos geniculares) e atende em São Paulo, na Vila Mariana e no Morumbi. Se quiser tirar suas dúvidas, clique aqui

Dr. Carlos Vinicius Ortopedista SP

Sobre o Dr. Carlos Vinícius

O Dr. Carlos Vinícius é referência no tratamento por ondas de choque em São Paulo. Formado há mais de 10 anos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), se especializou em cirurgia do joelho pela Universidade de São Paulo (USP) e finalizou seu doutorado em Ciências da Cirurgia também pela UNICAMP.

Saiba mais

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn