ligamento cruzado anterior

O ligamento cruzado anterior é elástico, mas nem tanto


Os ossos do joelho são conectados entre si por ligamentos. O ligamento cruzado anterior (LCA), por exemplo, conecta o fêmur (osso da coxa) e a tíbia (osso da perna). Sem essa conexão, o joelho ficaria solto. Veja que isso é exatamente o que sentimos quando sofremos lesão de algum ligamento.

Agora imagina se o LCA fosse rígido como um ferro… Seu joelho não mexeria, correto? Por isso, o ligamento precisa ser flexível. Mas não basta só isso. O LCA serve como um cinto de segurança que impede o deslocamento excessivo da tíbia sobre o fêmur. 

Então, imagina que você esteja puxando um prego fincado na parede. Se você conseguir arrancar, ele sairá por inteiro e ainda levará um pedaço da parede. Pode até quebrar a parede se ela for frágil. Com o LCA, funciona da mesma forma. Se ele fosse completamente inelástico, ou se fosse muito pouco elástico, toda vez que ele fosse solicitado pra segurar a tíbia, poderia ocorrer uma fratura. Por isso, o LCA precisa ser elástico. Contudo, não pode ser muito elástico, senão outras estruturas (ex.: artérias e nervos) arrebentariam.

Quanto mais jovem o indivíduo, mais elástico o ligamento; e quanto mais idoso, menos elástico. Para o LCA, a cada 18kg de força aplicada, ele estica 1mm. Mas ele não suporta mais do que 200kg, ou seja, não estica mais do que 10 mm. Se passar disso, ele rompe, que é o que acontece quando realizamos movimentos de giro combinados com desacelerações abruptas, ou quando alguém (ou algo) cai sobre nosso joelho.

Lembre-se que se você sofrer alguma lesão no joelho, consulte-se com um ortopedista especialista. Cuide-se! Previna-se!

Dr. Carlos Vinicius Ortopedista SP

Sobre o Dr. Carlos Vinícius

O Dr. Carlos Vinícius é referência no tratamento por ondas de choque em São Paulo. Formado há mais de 10 anos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), se especializou em cirurgia do joelho pela Universidade de São Paulo (USP) e finalizou seu doutorado em Ciências da Cirurgia também pela UNICAMP.

Saiba mais

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn